Quinta, 20 DE janeiro DE 2022

Em reviravolta, 2ª turma do STF decide votar liberdade de Lula

Pedido de HC sobre parcialidade de Moro voltou à pauta após Gilmar propor que colegiado discutisse liberdade do ex-presidente até a conclusão do julgamento

Publicado em:

25 de
jun
Categorias: Brasil.

Foto: Victor Moriyama / Stringer / Getty Images

Segunda Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta terça-feira (25) que vai analisar dois processos que podem colocar em liberdade o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso na sede da Polícia Federal em Curitiba, desde abril do ano passado.


Um dos habeas corpus é aquele em que o petista acusa o ex-juiz federal Sergio Moro de  parcialidade ao condená-lo no caso do triplex do Guarujá.


Cármen Lúcia e Edson Fachin já votaram contra o pedido em dezembro do ano passado, quando o ministro Gilmar Mendes pediu vista do caso, e adiou o julgamento. Recentemente, o ministro havia liberado o HC para a turma do tribunal, mas depois pediu que o caso fosse retirado da pauta.


Mesmo sem devolver a vista, Gilmar propôs nesta terça-feira (25) que o colegiado discutisse hoje se não concede uma medida para o petista ficar em liberdade até a conclusão do julgamento do caso Moro.


“Diante das razões que eu expus, e do congestionamento da pauta, havia indicado o adiamento. Tem razão o nobre advogado (de Lula) quando alega o alongamento desse período de prisão diante da sentença e condenação confirmada em segundo grau. Como temos toda a ordem de trabalho organizada, o que eu proponho é de fato conceder uma medida para que o paciente aguardasse em liberdade a nossa deliberação completa. Encaminharia nesse sentido, se a o colegiado assim entendesse”, disse Gilmar Mendes na sessão.



STJ


O outro habeas corpus envolve Felix Fischer, ministro e relator da Lava Jato no Supremo Tribunal de Justiça (STF). Em decisão individual, Fischer negou o recurso da defesa e decidiu encerrar a questão no STF. A defesa de Lula recorreu por meio de um agravo regimental, recurso que precisa ser analisado pelo colegiado.


No entanto, a Quinta Turma do STJ — em decisão colegiada e unânime — confirmou depois a condenação do ex-presidente por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso, mas reduziu a pena do petista de 12 anos e 1 mês de prisão para 8 anos, 10 meses e 20 dias de reclusão.


Isso significa que existe a possibilidade de esse recurso de Lula no Supremo ter “perdido o objeto”, já que a Quinta Turma do STJ fez ajustes na decisão monocrática de Fischer. Na prática, essa decisão monocrática de Fischer, contestada por Lula no Supremo, não existe mais.


Segunda Turma está realizando a última sessão do primeiro semestre antes do recesso, e os advogados do petista queriam que o processo fosse julgado antes da interrupção dos trabalhos.


“É um caso que precisa efetivamente ser julgado porque envolve um ex-presidente que está preso. É um habeas corpus que já teve julgamento iniciado em dezembro de 2018. Queremos que o habeas corpus seja julgado hoje”, disse Cristiano Zanin, advogado do ex-presidente antes da sessão.


“O nosso habeas corpus foi impetrado no ano passado e está baseado em fatos bem definidos e comprovados. Evidentemente que as revelações (do site The Intercept Brasil) vêm para reforçar tudo aquilo que foi exposto”, afirmou o advogado, em referência às conversas atribuídas a Moro e a procuradores da Lava Jato em Curitiba.


“Nós confiamos que a Justiça possa conceder essa ordem”, completou.


Parlamentares do Partido dos Trabalhadores acompanham a sessão. Estão presentes os senadores Jaques Wagner (PT-BA), Paulo Rocha (PT-PA) e Humberto Costa (PT-PE), entre outros.


*Fonte: Revista Exame (digital)/Conteúdo: Estadão


Projeto Bombeiro Mirim - Cerimônia de Formatura



Arraiá do Jardim das Oliveiras (Encerramento)

[apss_share]

 

Outras Notícias

Câmara de Senador Canedo: Reinaldo Alves, herói ou vilão?
Suspeito de tráfico é preso com R$ 20 mil em cocaína, em Senador Canedo
Com mais um discurso político-eleitoreiro, Reinaldo Alves detona Divino e Laudeni Lemes
Coronavírus: espetáculo “A Paixão de Cristo” é cancelado em Senador Canedo
“O presidente colocou palavras na minha boca”, disse Marcelita Manze em sessão ordinária na Câmara
--->