Quinta, 20 DE janeiro DE 2022

Prevendo dificuldade de reeleição em 2020, Reinaldo Alves quer aumentar número de vereadores em S. Canedo

O presidente da Câmara de Senador Canedo quer 17 vereadores na cidade, atualmente são 13 parlamentares

Publicado em:

13 de
ago
Categorias: Cidade.

Reinaldo Alves/Arquivo/Canedo Enfoque

Prevendo dificuldade de reeleição nas eleições municipais de 2020, o presidente da Câmara Municipal de Senador Canedo, Reinaldo Alves (PRTB), defende o aumento do número de cadeiras na Câmara, passando de 13 para 17 vereadores.


Reinaldo Alves retornou à Câmara Municipal de Senador Canedo com o discurso de moralização e parcimônia, no entanto, depois de vociferar inúmeras vezes, em seus discursos, contra o ex-presidente da Casa, Rodrigo Rosa (PRTB), alegando falta de transparência e irresponsabilidade com dinheiro público, Reinaldo parece estar mesmo é preocupado com sua reeleição no pleito do ano que vem.


Com um mandato pífio, até o momento, o presidente da Câmara de Senador Canedo, não apresentou nenhum projeto que realmente melhore a qualidade de vida da população canedense, e os projetos que apresentou, não saíram do papel, é o caso do “Parlamento Jovem” e do projeto “Câmara Itinerante”.


Em entrevista no ínicio desta semana, Reinaldo Alves alegou que o aumento do número de parlamentares não aumentará os gastos da Câmara e aumentará a representatividade da população, será?


A grande verdade é que Reinaldo Alves está cumprindo a íntegra de um velho ditado popular: “Farinha pouca, meu pirão primeiro”.


*Fonte: Prefeitura de Senador Canedo 


Presidência da Câmara - falta de transparência e projetos que não saíram do papel

[apss_share]

 

Outras Notícias

Câmara de Senador Canedo: Reinaldo Alves, herói ou vilão?
Suspeito de tráfico é preso com R$ 20 mil em cocaína, em Senador Canedo
Com mais um discurso político-eleitoreiro, Reinaldo Alves detona Divino e Laudeni Lemes
Coronavírus: espetáculo “A Paixão de Cristo” é cancelado em Senador Canedo
“O presidente colocou palavras na minha boca”, disse Marcelita Manze em sessão ordinária na Câmara
--->